quarta-feira, 26 de maio de 2010

Semana do Meio Ambiente no Bonde

O Atelier de Artes do Bonde preparou para a Semana do Meio Ambiente uma exposição histórico-informativa sobre o Manifesto Ecológico do Estudante Dairell, que, no dia 25 de fevereiro de 1975, subiu em uma árvore - Tipuana - a fim de protegê-la de ser cortada para dar lugar à construção de um viaduto. A exposição constará de painéis e recortes de jornais de grande circulação na imprensa nacional e internacional da época e acontecerá dentro de um bonde.

O material foi selecionado pelo jornalista e escritor Sérgio Becker - autor dos livros Porto Alegre Centro Cultural e Porto Alegre Solo Sagrado - e foi recentemente apresentado para comemorar o Dia Nacional da Botânica. A abertura da exposição acontecerá no dia 05 de junho, às 17h 30min, para comemorar o Dia Mundial da Ecologia, com a apresentação de uma reportagem (Um Pé de Quê? - Tipuana) sobre as origens do movimento ambientalista em Porto Alegre, realizada pela TV Futura, tendo como repórter a atriz Regina Casé e como entrevistados o ex-jornalista do Estado de São Paulo Sérgio Becker e o engenheiro agrônomo, hoje Cidadão Honorário de Porto Alegre, Carlos Alberto Dayrell.

O evento tem o apoio da Secretaria do Meio Ambiente de Porto Alegre (SMAM) e, como palestrante convidada, contará com a presença da bióloga Patrícia Witt, Gestora da Reserva Biológica do Lami José Lutzenberger e fundadora do Centro de Educação Ambiental Augusto Carneiro e do Curso Ecoeducadores no Lami. Patrícia irá apresentar o trabalho de pesquisa e de educação ecológica mantido na reserva, a partir de uma exposição de fotos da exuberante fauna e flora nativa da região e de um documentário informativo realizado na Rebio.

Dentre tantas ilustres personalidades defensoras do meio ambiente, estará presente também a Engenheira Civil Jacqueline Annes, especialista em gestão ambiental e autora dos livros Manufatura Ambientalmente Consciente e Meio Ambiente Conte com a Gente. Jacqueline Annes recebeu o Prêmio de Responsabilidade Ambiental e estará participando de um bate-papo informal com a bióloga Patrícia Witt, o jornalista Sérgio Becker e a Arquiteta e Urbanista Ângela Ponsi sobre os rumos do movimento ambientalista em Porto Alegre e as ações concretas desenvolvidas pelos órgãos públicos e demais entidades responsáveis pela proteção do patrimônio ambiental da cidade, bem como sobre as medidas simples que devem ser adotadas pela população para diminuir os impactos ambientais durante a execução das tarefas diárias comuns.


Tenho uma estranha lucidez quando a natureza é excepcionalmente bela. Não sou mais eu, perco a consciência, e as imagens vêm a mim como num sonho.

Van Gogh


The mulberry tree, de Vincent Van Gogh, 1889.



Participação Especial:

Projeto Mosaico – Poesias Musicadas
Clarissa Pellin Dutra - Percussão
Victor Ardissone - Cordas e Vocal
Dança da Fertilidade
Bailarina de dança do ventre Letícia Rebolho
Artistas Circenses do Grupo Garganimações
Alexsandro Garga

Apoiadores:


Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Porto Alegre





Reserva Biológica do Lami José Lutzenberger








segunda-feira, 24 de maio de 2010

Feliz Aquarelista - Soneto

Uma releitura de um mangá japonês para ilustrar o soneto do querido amigo, poeta e parceiro cultural Ialmar Pio Schneider para Angela Ponsi. A aquarela é dela própria.

Confira mais poemas e sonetos do autor na Internet em http://www.sonetos.com.br/meulivro.php?a=44

Feliz Aquarelista

Quem é que pinta as lindas aquarelas,
a ilustrar cânticos sentimentais,
nobres desenhos de mulheres belas,
enfatizando os versos... sempre mais?!

Quem sabe, um dia sejam imortais,
mesmo enfrentando trágicas procelas,
sempre a vencer os fortes vendavais,
inda lembrando frágeis caravelas?!

Seu nome lembra os anjos nas alturas,
mas vive aqui, cercada de pinturas,
em seu ledo e fantástico Atelier...

Receba este soneto em homenagem,
no caminho das artes, em viagem,
- Ângela Ponsi a pintar... Eis você !

Por Ialmar Pio Schneider
Tristeza, Porto Alegre - RS, 23.05.2010 – às 20h32min.



Reportagem do Blog Inusitados sobre o Atelier do Bonde

Quem não gosta de novidade? Pois sim, Daniel Fraga, Filipe Brum, Jonathas Costa, Maya Lopes e Sabrina Benedetti, cinco estudantes de jornalismo da PUCRS uniram-se para fundar o "Inusitados", um blog para divulgar serviços e lugares pouco conhecidos em Porto Alegre, pensado especialmente para as pessoas que curtem iniciativas diferentes e exóticas.

Foi assim, dentro dessa proposta diferenciada do grupo, que o estudante de psicologia Jonas Fraga, a convite do blog Inusitados, surgiu no Atelier do Bonde, no início de maio de 2010, para uma entrevista com as proprietárias Kika e Ângela Ponsi. Como a sensibilidade de perceber  com profundidade, e o talento de despertar em cada ser humano seu dom mais precioso, é tarefa da psicologia, o garoto entrou no clima do atelier e , após um bate-papo descontraído e com um pequeno bloco de anotações, conseguiu captar a mensagem das artistas: cultura, criatividade, integração, cidadania e sustentabilidade, eis os focos de atuação do atelier. Veja como ficou a reportagem:


A arte está fora dos trilhos

Dona Zilka D’Ôrnelas Ponsi, 79 anos, funcionária pública aposentada, e sua filha, Ângela, possuem algo que muitos viram apenas por fotografia. Um meio de transporte em que tantas pessoas gostariam de ter andado um dia e que hoje elas disponibilizam para quem quiser conhecer. Não é somente de um bonde de 13m de comprimento por 3m de largura, mas, sim, de um espaço em que há produção e integração artístico-cultural, aberto para o público.

Ângela D’ Ôrnelas Ponsi, 38 anos, arquiteta e artista plástica, foi a responsável pela aquisição deste patrimônio cultural que estava destinado ao desmanche. O bonde, que abrigou um bar em Ipanema e, posteriormente, funcionou como igreja evangélica no Lami, já não comportava satisfatoriamente o número de fiéis. Ângela, então, no ano de 2000, buscou a “sucata”.

Iniciou-se um árduo trabalho de restauração, cuja intenção de manter a maior parte de peças originais possível teve sucesso. Esse trabalho contou com a ajuda dos próprios trabalhadores, que “entraram no espírito”, improvisaram uma oficina ali mesmo (a fim de evitar o deslocamento do bonde) e adaptaram o maquinário necessário para a reforma.

Nota-se a preocupação com a educação ecológica que permeia o trabalho realizado no atelier e é refletida nas obras de arte, nas iniciativas e projetos, bem como na própria construção da casa. Os tijolos, a escada, as esquadrias, tudo dentro da idéia de “lixo decorativo”, uma iniciativa que vai de encontro à cultura do desperdício, a qual elas fazem questão de combater, por uma via bem criativa.

Várias atividades, como hora do conto, hora da arte, sarau de música, exposições e aula de pintura são realizadas ali, na Av. Otto Niemeyer, 1.173, e contam, ainda, com a participação de outros profissionais, como a psicopedagoga Verônica Bilhalva e a artista plástica Glaucia Scherer. Sobre o trabalho destinado às crianças, Ângela cita a “Oficininha”, que conta com uma hora do conto, piquenique e alguma apresentação ou teatro que a psicopedagoga proponha, dentro de uma programação que varia de encontro para encontro. Zilka, hoje poetisa e trovadora, ressalta o caráter terapêutico da proposta, proporcionado pela arte.

O Atelier agrega uma proposta cultural que respeita a ecologia, bem como o aspecto terapêutico, à possibilidade de conhecer um meio de transporte tirado de circulação em nossa cidade, mas que um dia já se constituiu em um símbolo porto-alegrense. Por isso, o espaço é uma opção bem interessante àqueles que buscam novidades na nossa capital.

Texto e fotos são uma participação especial de Jonas Fraga, convidado do blog para a realização desta postagem.

Informações sobre cultura, arte, eventos, entre outras idéias inusitadas podem ser encontradas no site http://inusitadospoa.wordpress.com/