terça-feira, 18 de maio de 2010

Brasil Rural Contemporâneo 2010

A Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária  aconteceu no Cais do Porto em Porto Alegre, durante quatro dias de exposição, comercialização e uma vasta programação cultural. Contando com 350 empreendimentos de todo o país e 200 toneladas de produtos agrícolas de pequenos e médios produtores rurais, além de um rico artesanato típico, o evento reuniu a população da cidade, às margens do Guaíba, para degustar a produção familiar e apreciar a cultura regional brasileira.

O evento é uma iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e pretende demonstrar a força da agricultura familiar como medida para o desenvolvimento produtivo, sustentável, criativo e multicultural do país, melhorando a qualidade de vida no campo e na cidade. Com a criação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, o MDA pretende garantir a inclusão produtiva dos povos tradicionais, reunindo agricultores familiares, artesãos, pescadores, quilombolas, indígenas e assentados por meio da promoção de tecnologias sustentáveis que valorizem o sistema social, os recursos naturais, bem como as práticas e saberes tradicionais de cada povo, como forma de garantir o manejo e a preservação da biodiversidade dos agroecossistemas.

A equipe de artistas do Atelier do Bonde não poderia deixar de apreciar um evento nessas proporções, capaz de introduzir no cotidiano da população portoalegrense a necessidade de um consumo consciente, livre de agrotóxicos, hormônios, antibióticos e tantos outros aditivos industrializados prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente. Além disso, os artistas aprenderam que, ao consumir produtos ecológicos ou orgânicos dos agricultores familiares, estamos ajudando a conservar as fontes de água, usando controle biológico e natural em vez de agrotóxicos, diversificando os cultivos, poupando a terra e melhorando sua fertilidade com adubos orgânicos, fazendo os animais crescerem livres e com saúde e entrando em harmonia com a paisagem, conservando os recursos naturais para o futuro.


O uso desses produtos é um incentivo ao pequeno produtor rural, que, ao promover uma agricultura naturalmente ecológica e obter daí sua subsistência e da sua família, ajuda a conservar o ambiente, as águas e o solo, mantendo a mata nativa. Ao preservar a diversidade das espécies regionais de forma ecológica, o produtor familiar conserva também a cultura local, permanecendo no campo e não sendo forçado a migrar para a cidade em busca de oportunidades de trabalho. Dessa forma, optando pelo consumo consciente, a sociedade se beneficia e o país economiza recursos, gerando uma maior produção natural com uma menor degradação e, conseqüentemente, resultando uma maior qualidade de vida para todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário